quinta-feira, março 22

Conversa de ....

No primeiro post deste blog disse quem muita coisa sem jeito nenhum iria ser escrita. Aqui está um exemplo. Durante a vida aprendemos, vivemos novas experiências, descobrimos, e vemos coisas que nunca pensávamos ser possível algum dia ver. Hoje foi um desses dias.
Acordei as 7 da manhã, com a dificuldade do costume, mas lá me fiz à vida. Lavei-me, peguei nas chaves do carro e lá fui eu até ao Iseg. Estacionei o bólide no outro lado da linha de Santos. Quando estava a entrar na estação de comboio de Santos para atravessar a ponte que dá acesso ao outro lado da linha deparei-me com algo nunca antes visto. Era nojento, viscoso, perigoso, feio, feio, feio e grande, grande, grande, grande, muito grande mesmo. Talvez do tamanho do meu antebraço. “Mas o que era? Diz para mim…que coisa desagradável observaste tu caro senhor escritor?” Cá vai disto: O Maior Pedaço de Bosta que Alguma Vez Vi! Uma coisa incrível! Que calhau poderoso. O Evereste das formigas. O Chimarrão das moscas. Nunca vi nada assim. Que besta teve a coragem de exorcizar tal demónio?! O bicho que lançou aquela âncora teve de lavar pontos de certeza. Acabada de ser lançada ao mundo, ainda a emanar vapor. Precisava de partilhar este momento da minha vida com alguém e que de certa forma marcou a minha quinta-feira. O meu muito obrigado pela atenção!

4 Bitaites:

maccoli disse...

desculpa lá a poia... não era pra teres visto.

Absinto disse...

k coisa maquiavelica colega

Anónimo disse...

O meu nome é Fabio Vieira, tenho 22 anos e tb vi esta poia gigante... Também nunca tinha visto uma coisa assim, nem em dias de ressaca! Andam por ai animais ou criaturas mto perigosas...

P.S. é Evereste colega, Evereste!

Taberneiro disse...

Ninguem é prefeito. Tem rasão sim Sr. Pesso mile desculpas a tódos que ficarem aburrecidos com o meu erro órtografico. saude