terça-feira, maio 20

Tomé de Chelas

No lugar de Goa, nos tempos dos descobrimentos, um Indiano curioso perguntou ao Vasco da Gama: " Falai-me de Portugal. Que fortuna lá existe? É terra bela?". Ao que bravo navegador respondeu: "É uma terra como as outras meu caro, porém daqui a 500 anos irá existir um cantor que usa a voz como ninguém, apaixonado, dócil, carinhoso e quiça um conquistador nato devido ao seu cântico". E foi assim que o Indiano ofereceu imediatamente um saco de caril e noz moscada ao português, sem pensar duas vezes.

Filho de pais órfãos e residente na Rua da Picada Africana n.º4, 7º Esq. do Bairro Social das Amoreiras Chelas, cedo descobriu que a vida não era só "comer e deitar fora". Palavras sábias, pensadas, ponderadas, voam pela sua boca com travo a tinto. Postura digna, olhar penetrante, não dispensa a grade de mini e um taparuere de pica-pau, nos dias de show. Amado pelo público, devido aos concertos de solidariedade às prostitutas do Restelo, ganhou uma menção honrosa da revista "Cabeludas com Cio", em que no seu discurso ficou imortalizado a frase: "As prostitutas não são putas". Palavras para quê? Tantas letras juntas de forma harmoniosa, ao som da telefonia do carro, inspiram o comum dos humanos nas viagens à praia da Cruz Quebrada.

O meu bem haja a este vigoroso atleta da nobre arte da música.

Senhoras e Senhores...

Tomé de Chelas

1 Bitaites:

Pisco disse...

Ha vencedores e este nobre e distinto rapaz é um!
Presto assim a minha pequena mas "tesa" homenagem a ele!
Uma salva de palmas e um brinde de bagaço a este guru!